Carro ou Uber: qual vale mais a pena?

Nos últimos anos, vários gurus de finanças publicaram conteúdos defendendo que, entre carro ou Uber, a segunda opção era a mais econômica, porém tudo isso mudou com o cenário imposto pela pandemia do novo coronavírus.

Agora ter um carro particular parece ser bem mais vantajoso para a sua saúde e segurança – já que com ele você irá se expor bem menos aos riscos de contaminação –, mas de qualquer forma é impossível deixar de lado o custo extra que isso vai gerar.

Por isso, eu elaborei uma simulação que vai responder exatamente esta pergunta: o quão mais caro é ter o próprio carro, ao invés de andar de Uber?

Carro ou Uber: qual vale mais a pena? - Mobizoo

Carro ou Uber: o comparativo

Eu sou um feliz usuário de Uber há bastante tempo, porém desde que surgiu o tal do “novo normal”, não sai da minha cabeça a ideia de comprar um carro.

Como eu sou extremamente racional, peguei meu bloquinho de papel e parti para a comparação de cenários. A ideia era conferir quanto eu já gasto por ano com meus deslocamentos, para descobrir qual seria o custo extra de ter um carro.

Na minha realidade eu usaria o carro apenas para deslocamentos curtos durante a semana (levar minha filha na escola, mercado, ir para o trabalho, etc.), e outros mais longos no final de semana para o lazer, mas também usaria o veículo para alguns eventos especiais que atualmente eu faço com carro alugado, já que ficariam caríssimos de Uber (tipo ir na casa dos parentes no Natal).

Muita gente deve ter uma realidade parecida com a minha, então essa simulação pode ser uma boa base para a tomada de decisão. Por isso, pode copiar à vontade e fazer adaptações de acordo com a sua realidade.

Custos fixos de transporte

De acordo com as minhas faturas de cartão de crédito, os meus gastos com deslocamentos de Uber antes da pandemia eram os seguintes:

  • Média de R$ 60 por semana para levar minha filha na escola (que não é muito longe da minha casa).
  • Média de R$ 40 por semana para as saídas a lazer no final de semana.

Isso dá R$ 100 por semana, R$ 400 por mês, R$ 4.800 por ano.

Nessa simulação estou projetando o período de 4 anos, portanto o total fica em R$ 19.200.

Além disso, tenho os aluguéis de carro esporádicos para eventos especiais (viagem, Natal, etc.), com média de R$ 300 em cada locação, que totalizam R$ 4.800 em 4 anos.

Sendo assim, em quatro anos o meu custo total de transporte “terceirizado” fica em R$ 24.000 + inflação, totalizando aproximadamente R$ 25.000.

Agora préstenção: isso é quanto eu já iria gastar de qualquer maneira, ou seja, é um valor que se perde.

Se eu converter esses R$ 25.000 em um carro seminovo (um Nissan March, por exemplo), posso recuperar parte desse dinheiro na venda, depois dos 4 anos.

Guarde esse número e vamos para a parte dolorosa:

Os custos extras de um carro particular

Usando um Nissan March 2015 como parâmetro para nossa simulação, temos os seguintes custos extras em 4 anos:

  • Seguro: média de R$ 1.800 / ano – total: R$ 7.200
  • IPVA: R$ 1.200 / ano – total: R$ 4.800
  • Combustível: R$ 200 / mês (pouco uso) – total em 4 anos: R$ 9.600
  • Revisões na autorizada (2): R$ 3.000

TOTAL: R$ 24.600 + inflação, aprox.: R$ 25.600

Os valores acima mudam de acordo com a sua cidade, bairro e distâncias percorridas. No meu caso, os preços são para o Rio de Janeiro, capital.
Custos de estacionamento não entram na conta, pois fazem uma compensação para o conforto, segurança e praticidade de ter um carro particular, coisas que o Uber não têm).

Simulação de compra e venda

Se pegarmos aqueles R$ 25.000 iniciais para a compra de um Nissan March 2015, e somarmos os custos extras que acabamos de listar (R$ 25.600), a despesa total que esse veículo próprio irá gerar em 4 anos será de R$ 50.600.

Se no final desse ciclo, for feita a venda do automóvel por R$ 20.000 (é um cenário otimista, eu sei), o capital perdido será de R$ 30.600.

Mas lembre-se, no cenário sem carro particular, andando de Uber e usando aluguel esporadicamente, o capital perdido seria de R$ 25.000.

No final das contas, a diferença entre os cenários é de R$ 5.600. Tá bom ou ruim pra você?

Conte aí nos comentários o que achou dessa simulação, e diga também o que faz mais sentido pra você no atual cenário: carro ou Uber?

Foto de capa: Acharaporn Kamornboonyarush / Pexels

Mais sobre: finanças mobilidade