Motorola One Hyper: focando no que importa [Review]

Custando a partir de R$ 1.599, o Motorola One Hyper é um dos celulares intermediários mais potentes da Motorola no Brasil.

Ele traz como destaques a câmera principal de 64 MP (feita em parceria com a Xiaomi e Samsung, veja você), o monstruoso carregador TurboPower de 45w, hardware eficiente, e uma câmera frontal pop up que libera a tela de qualquer intervenção.

Ele pode ter menos câmeras que o Motorola One Zoom, mas acaba superando o irmão em diversos pontos, como os que eu comentarei a seguir. Aliás, o Hyper também atropela muito Samsung e Xiaomi que tem por aí.

Ficou curioso(a)? Então descubra nessa análise como foi a minha experiência de uso com o modelo durante as últimas semanas.

Vá direto para:

Motorola One Hyper é bom? Vale a pena? [Review] - Mobizoo

Tá com pressa? Então passa o olho na lista de prós e contras:

Prós e contras

Prós

  • Câmera principal de 64 MP excelente;
  • Câmera frontal retrátil faz ótimas selfies (e ainda libera a tela);
  • Bom desempenho geral;
  • Belíssima tela;
  • Carregador ABSURDAMENTE rápido.

Contras

  • Traseira “meio esquisita” (e de plástico);
  • Câmera ultrawide traseira deixa a desejar;
  • Cadê a estabilização óptica?

Unboxing [vídeo]

Ficha técnica

  • Modelo: XT2027-1
  • Android 10;
  • Tela IPS LCD de 6,5 polegadas Full HD+ (1080 x 2340) (396 ppi);
  • Chipset Snapdradon 675 octa-core 2.0 GHz;
  • GPU Adreno 612;
  • 4 GB de memória RAM;
  • 128 GB de armazenamento interno, expansível com micro SD;
  • Câmera traseira dupla:
    64 MP wide f/1.8 com inteligência artificial, tecnologia Quad-Pixel e autofoco PDAF e Laser;
    8 MP ultrawide f/2.2;
  • Câmera frontal de 32 MP f/2.0 motorizada;
  • Gravação de vídeo 4K a 30 fps e Full HD a 30/60 fps;
  • Leitor de impressão digital traseiro;
  • Bluetooth 5;
  • A-GPS, Glonass, Galileo e BDS;
  • USB tipo C;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, luminosidade, giroscópio e luz ambiente;
  • Bateria de 4.000 mAh com carregamento turbo.

Design e tela

Nem muito fino, nem muito grosso, nem muito pesado, nem muito leve. O Motorola One Hyper é um celular grande, mas não chega a ser um trambolho na mão.

A traseira possui bordas curvas que ajudam na pegada, mas de qualquer forma ele não é o aparelho mais confortável que eu já usei. Digamos que fica no meio-termo, e que só pessoas grandes vão conseguir usá-lo com apenas uma mão.

O visual da traseira em plástico não é dos mais bonitos, mas isso meio que é compensado pela frente bonitona, livre de recortes e com margens mínimas em torno da tela.

O anel em torno do leitor de impressão digital acende durante a inicialização, e também pode ser usado para piscar quando há notificações. Infelizmente o recurso para notificações não funcionou na minha unidade de teste.
Motorola One Hyper: traseira

Se ignorarmos a existência do caríssimo Motorola Edge Plus, dá pra dizer que o Motorola One Hyper tem a melhor tela da marca em 2020 (até agora).

Além de não possuir nenhum recorte ou buraco graças à câmera frontal pop up, o painel IPS do Hyper arrasa nas cores e no contraste, coisa que, por incrível que pareça, o OLED do Motorola One Zoom não faz.

O brilho é generoso, os pretos são profundos e os brancos bem calibrados, e os ângulos de visão são amplos o suficiente para uma boa leitura em qualquer posição.

Com essa tela você terá conforto para os olhos tanto debaixo do sol quanto no escurinho do quarto, e certamente só sentirá falta de algo superior, quando der de cara com um maravilhoso painel de 120Hz.

Motorola One Hyper: tela

Câmeras

A câmera traseira do Motorola One Hyper não tem aquele monte de lentes que vemos nos modelos mais recentes, mas ela tem o que importa: um sensor principal poderoso, de 64 MP, e mais uma lente secundária ultrawide.

Além disso, não podemos esquecer que câmera frontal pop up do modelo se destaca na categoria com seus 32 MP, já que a concorrência anda meio “presa” nos 25 MP.

Bom, chega de papo e bora conferir as fotos que eu fiz com o aparelho durante um pequeno (e seguro) passeio de alívio após 3 meses de quarentena.

Foto exterior com HDR (dia nublado):

Teste de câmera - Motorola One Hyper

Foto interior:

Teste de câmera - Motorola One Hyper

Comparativos entre as lentes principal e ultrawide:

Teste de câmera - Motorola One Hyper Teste de câmera - Motorola One Hyper Teste de câmera - Motorola One Hyper Teste de câmera - Motorola One Hyper

Modo retrato:

Teste de câmera - Motorola One Hyper

Selfie:

Teste de câmera - Motorola One Hyper
Para ver as fotos deste review em tamanho original, acesse o Google Drive do Mobizoo.

Teste de desempenho [vídeo]

Se você procura um smartphone rápido, que não vai te deixar na mão em nenhuma situação de uso, o Motorola One Hyper é uma boa opção.

Durante as minhas semanas de uso, eu não tive nenhum problema de travamento ou lentidão, e tudo foi executado de forma ágil pelo sistema.

Apps abrem imediatamente e se alternam sem esperas, feeds de redes sociais rolam com ótima fluidez, e mesmo os jogos mais pesados rodam com bom desempenho, ao menos nas configurações padrão.

Confira o teste em vídeo:

O “motor” do One Hyper é equipado com o chip Snapdragon 675 e mais 4 GB RAM, conjunto que vai suprir as necessidades da maioria dos usuários, mas que fica atrás de concorrentes equipados com o Snapdragon 730 (Galaxy A71 e Xiaomi Mi 9T), tanto no desempenho com jogos, quanto nos testes de benchmark como o Antutu.

Motorola One Hyper: Antutu

Bateria

Não há muito o que falar da duração da bateria do Motorola One Hyper, já que ele ultrapassa um dia inteiro de uso intenso com tranquilidade, e pode até completar 2 dias longe da tomada, se o seu uso for mais moderado.

O grande destaque fica mesmo por conta do excelente carregador TurboPower de 45w que acompanha o modelo. Uma monstruosidade que carrega o dispositivo de 5 a 50% em apenas 15 minutos.

Áudio

A Motorola costuma oferecer alto falantes de boa qualidade em seus celulares acima dos 1.000 reais, e no Motorola One Hyper não foi diferente.

O componente localizado na parte inferior do dispositivo oferece som alto e encorpado, com graves presentes e pouca distorção mesmo no volume máximo.

O aparelho ainda conta com o sistema de otimização Dolby que melhora a experiência sonora em caixas de som externas e nos fones de ouvido inclusos, que aliás são os mesmos que acompanham todos os Motorola One e Moto Gs de 2019/2020, e são bem melhores que os que acompanham os Galaxy A da Samsung.

Veredito

O Motorola One Hyper é sem dúvida uma das melhores compras de 2020 na faixa dos R$ 1.700, e os motivos não são poucos: o modelo é o único da categoria com carregador de 45w, seu conjunto de câmeras é competente, sua tela é excelente, e o desempenho não decepciona nem na velocidade de processamento, nem na duração da bateria.

É verdade que ele não é exatamente bonito, ou mesmo construído em metal e vidro como o Xiaomi Mi 9T, mas não é todo mundo que se importa com isso, ainda mais quando o principal concorrente quase dobrou de preço.

Rodando Android 10 e com atualização para Android 11 já confirmada, o One Hyper certamente será um bom companheiro para os próximos 2 anos, e só não deve comprá-lo quem realmente sente falta dos recursos extras presentes nas câmeras da concorrência: lente macro, teleobjetiva e estabilização óptica.

Minha experiência foi bastante positiva, e por isso meu veredito é:

Ainda não conhece a escala memética de avaliação do Mobizoo? Então veja como fazemos nossas análises de celular.

Deixo o meu agradecimento à assessoria da Motorola, que gentilmente emprestou o celular utilizado nesta análise.

Mais sobre: Motorola
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!

Apoie o conteúdo que você ama!

Desative o seu bloqueador de anúncios e nos ajude a manter o site :)