O que eu descobri em minha viagem ao Japão – parte 2

No post anterior sobre minha viagem ao Japão eu comentei sobre o excelente mercado de eletrônicos usados do país, e dei algumas dicas para os amantes de videogames antigos que forem se aventurar pelas ruas de Akihabara.

Já nesta segunda parte o foco será nas minhas impressões sobre o estilo de vida japonês, com destaque, é claro, para as incríveis soluções (tecnológicas ou não) que eles possuem para as tarefas do dia-a-dia. Vamos lá?

viagem ao japão

Tudo é pensado para facilitar a vida

Cena clássica no Brasil: você entra num restaurante, pede uma mesa, espera a mesa, senta e espera o cardápio, espera mais um pouco e faz o pedido. Até você de fato começar a comer, lá se foram uns 40 minutos do seu dia. Ah, e ainda tem aquele tempinho extra para conseguir pedir a conta, recebê-la e finalmente pagá-la.

No Japão é diferente: muitas redes de restaurantes (especialmente os mais populares) possuem uma máquina em sua porta, onde você efetua o seu pedido antes mesmo de entrar. Basta selecionar o prato, efetuar o pagamento (com dinheiro, cartão ou celular), e pegar seu ticket.

O seu pedido vai direto para a cozinha, e ele já vai sendo adiantado enquanto você escolhe uma mesa.

Ao sentar você entrega o ticket para um garçom ou garçonete, somente para que ele ou ela possa saber o que irá te trazer.

maquina em restaurante japonês
É assim que se pede um prato no Japão. Algumas máquinas possuem o nome do prato em inglês, outras não.

Depois que você encerrar sua refeição é só pegar suas coisas e ir embora.

A conta já foi paga lá no começo, e você nem precisa se preocupar com a gorjeta do garçom, já que no Japão isso de dar gorjetas não existe.

Na verdade essa é só uma das várias formas que os japoneses encontraram para automatizar o ato de comprar comida.

Existem também os famosos restaurantes esteira, onde o seu pedido “viaja” até você, e máquinas automáticas que te entregam sua comida quentinha, por um precinho super camarada. Aliás, no Japão existem restaurantes inteiros feitos só com essas máquinas. É pagar, comer e ir embora sem ter que falar com nenhum ser humano.

A pessoal do canal Japão nosso de cada dia – um dos canais mais importantes na minha preparação para a viagem – tem um vídeo muito bacana sobre esses restaurantes automáticos. Dá uma olhada:

E não é só na parte de alimentação que a tecnologia está presente no dia-a-dia do japonês. Felizmente, ela está em praticamente tudo:

  • nos trens de alta velocidade que te levam a cidades distantes em poucos minutos;
  • nos sinais de trânsito que emitem sons para facilitar o deslocamento de deficientes visuais;
  • nos estacionamentos subterrâneos automatizados para bicicletas;
  • nos banheiros inteligentes que secam sua toalha logo após você terminar seu banho;
  • nos carros elétricos ou movidos à células de hidrogênio;
  • nas linhas de metrô e monotrilho que passam dentro de pontes (embaixo de onde passam os carros);
  • na internet 5G, e muito mais.

No final das contas, o que eu imaginava que seria um país cheio de robôs, na verdade me surpreendeu por utilizar a tecnologia de uma forma quase invisível, com muita inteligência e foco na solução.

As Privadas do amor

Imagine um vaso sanitário que, nos dias frios, aquece o assento automaticamente quando você se aproxima dele, acende uma luz suave e ainda toca uma música relaxante para facilitar o seu “trabalho”.

Imaginou? Então espere, pois tem mais: quando você finalizar o serviço, ele ainda vai lançar um delicioso jato de água morninha no seu “fiofó”, fazendo deste simples ato natural, um dos momentos mais inesquecíveis de sua viagem.

E se você acha que este tipo de privada você só vai encontrar em lugares chiques, sofisticados, está muito enganado(a). Esta maravilha nipônica está presente em quase todos os lugares: aeroportos, estações de trem e metrô, shopping centers e até mesmo em lojas de conveniência.

privadas japonesas
Dá vontade de levar para casa!

Nada de Sushi, Sashimi, Hot ou Temaki

Antes de chegar no Japão, eu achei que passaria toda a minha estadia “enchendo a cara de peixe”. Afinal, quando nós brasileiros pensamos em comida japonesa, o que nos vem à mente é um montão de sushis, sashimis e temakis feitos com os mais diversos tipos de peixes e frutos do mar.

Novamente me enganei: tudo que envolve peixe fresco e frutos do mar é bem caro no Japão, e acaba que a comida do povão mesmo é o ramen (aquela sopa com macarrão), especialmente o tonkotsu – com carne de porco, um dos mais populares.

ramen
Tonkotsu Ramen: esse sim é o verdadeiro “arroz com feijão” japonês.

Obviamente, não é só isso que se come por lá. A cozinha japonesa é muito, mas muito rica mesmo, e conta com uma variedade enorme de pratos, lanches, sobremesas, petiscos e o que mais servir para matar a fome. Inclusive chefes de cozinha do mundo todo vão ao Japão para conhecerem ingredientes, temperos e carnes que só existem lá.

Aliás, dica para os “gourmets” de plantão: a vila de Gion, na cidade de Kioto, é um verdadeiro paraíso da culinária, com diversas lojas especializadas em temperos, especiarias e ingredientes premium. Tudo com “provinha” grátis!

Além das várias facetas do ramen, experimentei outras comidinhas incríveis, que devem estar presentes em qualquer lista de turismo gastronômico pelo Japão. Prepare o babador:

Nikuman

Passei a primeira parte inteira da viagem curioso, toda vez que via um lugar vendendo esses misteriosos pãezinhos, até que tomei coragem de experimentar.

Nikuman

Imediatamente me arrependi de não ter começado a degustar essa delicia antes, tamanha foi a minha felicidade ao abocanhar um desses deliciosos quitutes fofinhos, recheados com um suculento preparado de carne e legumes.

Eles são muito fáceis de encontrar (inclusive nas milhares de lojas de conveniência espalhadas pelas cidades), porém os melhores são os mais artesanais, geralmente vendidos em feirinhas próximas aos templos.

Okonomiyaki

Esse é um dos pratos mais apreciados por turistas no Japão, e o motivo é simples: trata-se de um “omeletão com tudo dentro”.

Okonomiyaki

A fritada básica conta com ovos, vegetais, molho okonomi, maionese e raspas de atum seco (Katsuobushi), porém é possível encontrar variações com os mais diversos tipos de recheio, entre eles polvo, frango, bacon e até macarrão (!).

Também é bem fácil de encontrar, porém os melhores ficam em Kioto e Osaka, em restaurantes onde ele é preparado numa chapa bem em frente à sua mesa.

Takoyaki

Uma das comidas de rua mais populares do Japão, o takoyaki consiste em uma bolinha de massa de ovos (a mesma do okonomiyaki) recheada com vegetais e polvo, e coberta com molho okonomi, maionese e raspas de atum seco.

Takoyaki

Feito na hora, o takoyaki normalmente é vendido em pratinhos com 6 ou 8 unidades, e costuma queimar a boca de muitos turistas desavisados, já que seu interior fica extremamente quente quando fresco.

Eles também são fáceis de encontrar por todo Japão, mas os melhores podem ser degustados nas movimentadas ruas da Dotonbori, em Osaka.

Tuna Jaw

Essa sem dúvida foi uma das melhores descobertas em minha viagem ao Japão. E antes de te explicar o que é isso, eu vou te mostrar uma imagem:

tuna-jaw
Eu como fácil essa pilha inteira!

Esses grandes pedaços de mandíbula de atum, assados na brasa, e cobertos com molho teriyaki, são uma daquelas iguarias que você “come rezando”, como dizem por aí.

Apesar de não parecer à primeira vista (de longe parece apenas um osso), cada pedaço desses está cheio da mais suculenta e macia carne de peixe que já provei. E quando eu digo cheio, é cheio mesmo.

Não é uma carne muito fácil de encontrar em restaurantes, mas também não é impossível. Agora, se não quiser ficar procurando, basta ir ao  Kuromon Market de Osaka. Lá você encontra essa delícia fresquinha, e por um preço bem acessível.

Pão doce, pão de queijo, e sonho

Meses antes de viajar eu li a respeito da influência portuguesa na padaria japonesa, resultado de algumas visitas de nossos colonizadores ao país, pouco depois de descobrirem o Brasil.

Mas uma coisa é ler e imaginar, outra coisa é provar. Por isso fiz questão de provar vários pães, bolos e doces japoneses durante a viagem.

O Melon Pan é delicioso com ou sem recheio.
O Melon Pan é delicioso com ou sem recheio.

E eis que mais uma vez o Japão me surpreende: posso dizer, sem medo de errar, que a padaria japonesa é uma das melhores do mundo.

Lá eu comi O MELHOR sonho da minha vida (sim, sonho, esse mesmo), pastéis de nata deliciosos (olha aí os portugueses em ação!), pães doces e salgados que botam qualquer dieta em risco (inclusive pão de queijo), e o internacionalmente famoso Melon Pan, um pão doce de casquinha crocante e massa fofinha que pode ser apreciado puro ou recheado com um misterioso creme (parece chantilly, só que melhor).

Ah, e antes de terminar eu não posso esquecer: lá eles tem o Baumkuchen, uma espécie de bolo de rolo que pode ser encontrado em versões mais simples, boas para um café da manhã, ou em versões premium, boas para presentear.

baumkuchen
Diz aí: parece ou não parece um bolo de rolo pernambucano?

Na próxima semana eu volto com a terceira parte desta aventura. Até lá!

Mais sobre: comportamento Diversão