Google Home Mini (Nest): vale a pena comprar?

Dentre os assistentes inteligentes, os mais populares sem dúvida são os Amazon Echo e Google Home. Depois de três meses usando o Google Home Mini (Google Nest Mini no Brasil), posso dizer que a minha experiência vem sendo melhor do que poderia ter imaginado quando comprei o aparelho.

Se você tem interesse e quer saber como seria usar o Home Mini no Brasil, continue lendo este artigo.

Google Home Mini (Nest): vale a pena comprar?

Como comprar o Google Home Mini (Nest)

Atualmente temos duas formas para comprar um Google Home Mini no Brasil: pedir para alguém trazer a versão importada na volta de uma viagem, ou comprar a versão nacional, que atende pelo nome de Google Nest Mini.

Você encontra a lista completa de lojas que vendem a versão nacional neste link. Ambas funcionam perfeitamente em português, então você não precisa se preocupar com alguma modificação maluca de software para fazer o aparelho te entender.

Unboxing

 

Vale lembrar que tanto o Google Home Mini quanto o Google Nest Mini trazem o Assistente do Google incorporado. Porém, devem ser considerados dispositivos independentes. Logo, não confunda o uso do Assistente do Google no smartphone Android ou iOS com a experiência desta central inteligente de controle da casa.

Como funciona o Google Home Mini

Enquanto a Alexa aprende e realiza ações através da configuração de “skills” (habilidades em português), o Google Home usa “actions” (ações em português). Por exemplo, todas as manhãs peço para ouvir as notícias do dia, a escolha destas não é feita de forma aleatória pelo Google Assistente, mas é baseada na lista de canais de notícias que eu escolhi previamente a partir de uma lista oferecida pelo Google Home:

– Hey Google, what is my flash briefing?

– Good Morning, Camila. The time is 9am. Today in Berlin the maximum is 3 degrees and the minimum is 0 degrees. Here is the latest news from BBC…

Neste momento, o Assistente toca uma gravação específica de todos os canais que assino sobre notícias, tais como a Reuters TV, CNET, WIRED News, The Economist e assim por diante. É como se eu ligasse o rádio no carro pela manhã, mas sem ter que mudar de estação para conferir diferentes notícias, pois foi customizado previamente.

Usando o Google Home Mini - Review / Mobizoo
Para controlar o Google Home Mini é necessário baixar aplicativo “Home”

Também posso ter informações relevantes sobre a minha agenda do dia, o que realmente ajuda. E, claro, tudo isso sem tocar no meu smartphone, na TV ou computador. Com o passar do tempo, é inevitável, acabamos nos acostumando e tornando essas ações rotineiras. Faz praticamente um ano que chego em casa e acendo as luzes de casa usando a voz.

Usando o Google Home Mini - Review / Mobizoo
Na cozinha, o Home Mini é um grande aliado para quem gosta de cozinhar

Apenas o Google Home Mini não é suficiente

Para viver uma experiência completa com o Home Mini é preciso adquirir produtos extras. É claro que você pode não querer ligar ou desligar as luzes de casa usando um comando de voz e usar o alto-falante apenas para pesquisa e informações relevantes do cotidiano. Porém, qual é a graça de se ter uma central de controle inteligente se não é para usá-la?

As lâmpadas inteligentes da Philips, conhecidas por Hue, acabaram custando mais do que o próprio Google Home Mini e usa a rede wi-fi para comunicação com o Assistente. Assim, quando cai a internet, volto a ter que ligar as luzes usando o interruptor.

Usando o Google Home Mini para controlar sua casa - Review / Mobizoo
O Google Home Mini precisa de outros dispositivos, como a Philips Hue, para controlar as luzes de casa

Outro empecilho (e que me deixa bastante frustrada) é o fato de que a minha Android TV, por exemplo, está conectada ao serviço, porém, apesar de ter o Googlecast incorporado, não funciona como o Chromecast. Em outras palavras, pedir para que o Assistente abra na TV uma série do Netflix não funciona, pois até o momento o Google Home não conversa com uma Android TV como o faz com um dispositivo Chromecast.

O que é engraçado, por outro lado, é que pedir para ver imagens específicas de uma viagem ou evento usando o Google Photos a partir da televisão funciona perfeitamente, bem como assistir a vídeos no YouTube. Logo, apesar do Assistente afirmar que não oferece suporte para uma Android TV na hora de conectar com o serviço Netflix, penso que este seja um problema do próprio serviço de streaming que ainda não adaptou o aplicativo, pois o Spotify, por exemplo, depois de conectada a conta, toca perfeitamente.

Outra ação bacana é usar aplicativos de terceiros para configurar rotinas. Até agora venho usando o IFTTT e o Yonomi. Com eles, por exemplo, é possível realizar ações de forma automática em determinados momentos do dia ou definir certos comportamentos. Por exemplo, meu celular está sempre no silencioso, com a opção de vibração desativada, logo, é quase impossível ver quando alguém está me ligando. Usando um comportamento específico no Yonomi, sempre que alguém me liga (e estou em casa, claro) as luzes começam a piscar. No início levava sempre um susto, mas agora me acostumei.

Usando o Google Home Mini para automatizar sua vida - Review / Mobizoo
Com o Yonomi é possível ativar alertas para ações específicas

Vale a pena usar o Google Home Mini no Brasil?

O Home Mini funciona tanto para Android quanto para iPhone e iPad, e consegue distinguir dentre os diferentes usuários a partir do reconhecimento da voz de cada um. Assim, o uso do Assistente da Google no Home Mini é bastante democrático.

Vale a pena comprar o Google Home Mini no Brasil? - Review / Mobizoo
Se você quer fazer parte da evolução dos assistentes pessoais, o Google Home Mini é uma ótima pedida

Por fim, assim como hoje o uso de um computador ou de um smartphone acaba sendo imprescindível para realizarmos nossas tarefas, seja no trabalho ou em casa, assistentes inteligentes o serão em um futuro bem próximo. Talvez o uso destes no seu smartphone não faça tanto sentido agora, pois o ato de conversar em público com um dispositivo não é tão confortável quanto entre quatro paredes. Porém, acender as luzes quando chegamos em casa com as mãos cheias de sacolas com a ajuda de um assistente inteligente é extremamente funcional, ou mesmo perguntar o significado de uma palavra e obter a resposta em segundos sem ter que tocar na tela do smartphone e realizar uma pesquisa.

E sim, devemos também nos questionar a respeito do uso destas máquinas, pois assim como acontece com todo o tipo de tecnologia criada até hoje, apesar de acreditarmos que estamos no comando no início, com o passar do tempo, nos tornamos muito dependentes delas. Desta forma, tenha certeza do tipo de informação que deseja compartilhar, verifique os termos de privacidade e, por fim, certifique-se de tomar todas as providências para fazer com que a sua rede local esteja mais segura possível.

Quando Stephen Hawking e Elon Musk dizem que temos que nos preocupar com o desenvolvimento da Inteligência Artificial, nós deveríamos pelo menos escutá-los. A regulamentação desta nova tecnologia, tanto em relação ao seu desenvolvimento quanto às questões éticas, ainda é muito recente. Porém, neste momento, isso não significa que ter uma experiência com assistentes pessoais seja realmente um problema.

E aí, você investiria em um Google Home Mini hoje? Por quê?

Nota: os textos em inglês foram mantidos neste idioma para ilustrar com realismo a minha experiência com o Google Home Mini no cotidiano. A tradução dos diálogos pode ser encontrada aqui.

Camila Rinaldi

Tentei medicina, tentei jornalismo, mas só achei a felicidade quando descobri que podia falar sobre qualquer coisa na internet e ainda por cima ganhar dinheiro com isso. Não acredito que as máquinas vão roubar nossos empregos ou nos dominar, mas penso que se não mudarmos enquanto seres humanos, podemos acabar nos dominando com o auxílio das máquinas. Cada vez mais entendo a importância de comer bem, e quero poder ensinar meu sobrinho sobre dinossauros e vinis.

Mais sobre: Áudio Google Redes