[Exclusivo] Mi Store Brasil some do mapa e leva junto dinheiro de clientes

Não se fala em outra coisa nos diversos grupos especializados em celulares Xiaomi: a loja online Mi Store Brasil, que nunca teve qualquer relação com a Xiaomi, não entrega nenhum produto desde a Black Friday, não responde em nenhum canal de atendimento, e para piorar, tirou seu site do ar.

De acordo com as informações que pudemos apurar, centenas de clientes foram lesados, e simplesmente não sabem o que fazer para conseguir algum ressarcimento.

Eu entrei em contato com uma grande parte dos consumidores prejudicados através de um grupo criado por eles próprios no Telegram, e nesse artigo explico o que está acontecendo.

Mi Store Brasil some do mapa e leva junto dinheiro de clientes - Mobizoo

Como tudo começou?

A Mi Store Brasil é uma loja online que já existia há algum tempo no e-commerce Brasileiro, mas ela não fazia muito barulho antes da chegada oficial da Xiaomi no Brasil, que aconteceu em maio de 2019.

A loja foi extremamente beneficiada com o fato, pois sua página já era o primeiro resultado do Google para a busca “Mi Store Brasil” quando a chinesa desembarcou por aqui, trazida pela DL.

Com a enorme procura gerada na época, muita gente acabou caindo no site da Mi Store “genérica” ao procurar pela Mi Store original, que aliás ainda nem tinha sido lançada (A Xiaomi estreou inicialmente somente com sua loja física em São Paulo).

Há rumores de que a Xiaomi fez de tudo para derrubar o domínio MiStoreBrasil.com antes de começar suas operações por aqui, mas ela acabou não conseguindo.

Eu canso de falar pro Google que é extremamente perigoso colocar sites duvidosos no primeiro lugar das buscas, mas ele não me houve… Tss, tsc, tsc.

A loja REALMENTE oficial da Xiaomi no Brasil tem um domínio horrível, mas é o que tem pra hoje: https://xiaomi.distribuidornacional.com.br/. É só nesse que você pode confiar, ok?

A bomba da Black Friday

Os fãs da Xiaomi que circulam pelos grupos especializados já sabiam há bastante tempo que a Mi Store Brasil era sinônimo de cilada, porém os consumidores mais leigos à procura do seu primeiro Xiaomi estavam sempre perguntando por aí (inclusive aqui nos comentários do Mobizoo), se a loja era confiável.

Bastava uma olhada rápida no Reclame Aqui para ver que o perigo era real, mas infelizmente, no frenezi da Black Friday, nem todo mundo teve esse cuidado. Para complicar, quem procurava por “Mi Store Brasil é confiável” no Google caía na página de certificação da TrustVox, que aprovava a loja mesmo com um número grande de comentários negativos (?!).

Centenas de pessoas compraram celulares da Xiaomi na Mi Store Brasil durante esse período entre Black Friday e Natal, e absolutamente todo mundo se deu mal. Muito mal.

Os fatos relatados até agora

Depois de ler centenas de mensagens e relatos das vítimas, consegui compilar as seguintes informações:

  1. As centenas de clientes que efetuaram suas compras antes, durante e depois da Black Friday ainda não receberam seus produtos, e último status de pedido que todos receberam foi “aguardando envio”;
  2. O site da loja está fora do ar há alguns dias;
  3. O Instagram da loja teve todas as postagens apagadas, mas integrantes do grupo de vítimas conseguiram encontrar a URL do perfil: https://www.instagram.com/nome1528/;
  4. Algumas pessoas tentaram fazer boletim de ocorrência do crime, porém foram desestimuladas pela polícia, que afirmou que seria muito difícil avançar nesse tipo de investigação, onde todos os dados “sumiram”;
  5. O número de vítimas pode chegar à marca de 1000 clientes, com média de R$ 1.200 de prejuízo/cada, alcançando impressionantes R$ 1.200.000 no total.

Os clientes que utilizaram o MercadoPago e o PagSeguro como forma de pagamento entraram com disputas para ressarcimento dos valores pagos, porém, de acordo com o print abaixo, compartilhado por uma das vítimas que obteve resposta do MercadoPago, a situação não é nada animadora:

Resposta do Mercado Pago para o caso Mi Store Brasil

O que se sabe sobre a loja

De acordo com as informações coletadas pelas próprias vítimas, a Mi Store Brasil pertencia à empresa ACTION SALES COMPANHIA DIGITAL LTDA, inscrita no CNPJ 29.497.760/0001-38.

O detalhe curioso, é que na fatura do cartão de muitas vítimas da loja aparece o nome JCell, e não Action Sales.

A JCell, proprietária de um quiosque com o mesmo nome (Mi Store Brasil) num shopping de Blumenau, afirma que não possui nenhum vínculo com a Action Sales, mas os fatos mostram exatamente o contrário.

E tem mais: os compradores que pagaram suas compras na Mi Store Brasil através de boleto, notaram que o beneficiário do mesmo era a PAD Eletrônicos, e não a Action Sales ou a JCell, como podia-se esperar.

Detalhe: a PAD Eletrônicos é a proprietária da loja online Huawei Store Brasil, e quando você acessa o link “sobre nós” dessa loja, da de cara com a seguinte frase:

A PAD Eletrônicos é uma das empresas do GRUPO ACTION que também é a gestora da conceituada loja www.mistorebrasil.com.

Atualização (1): Em 11 de janeiro, quando escrevi essa matéria, a loja Huawei Store Brasil ainda estava online e funcionando, porém, depois da repercussão dessa reportagem, a loja desapareceu também.
Atualização (2): Obtivemos com exclusividade a certidão de pedido de baixa do CNPJ da Action Sales, emitido no dia 12/01/2020. Confira abaixo.
Baixa do CNPJ da Action Sales
Atualização (3): A Mi Store Brasil colocou seu site de volta ao ar, porém no endereço não há mais uma loja, e sim apenas uma nota de esclarecimento, informando que a empresa está colaborando para o ressarcimento dos compradores. A nota ainda indica os links para as páginas de orientação em cada um dos meio de pagamento (PagSeguro, MercadoPago e PayPal), e repudia a postura de alguns portais que repercutiram o caso.
Nota de esclarecimento Mi Store Brasil

Continuo acompanhando o caso e apurando as informações que estão surgindo, e também tenho conversado com especialistas em crimes digitais para tentar entender o que deve acontecer a partir de agora.

Irei atualizando o texto de acordo com os desdobramentos do caso, então se você tem interesse, ou mesmo é uma das vítimas, volte a qualquer momento para mais informações, ou deixe sua contribuição nos comentários.

Mais sobre: importação segurança