Como as fintechs facilitam o acesso ao crédito

Com certeza você já deve ter lido a palavra fintech em algum lugar. E, muito provavelmente, já deve ter ouvido sobre as promessas dessas instituições financeiras que surgiram para revolucionar o mercado como um todo.

Abertura de conta bancária, facilitar acesso ao empréstimo, serviços de contabilidade desburocratizados, cartão de crédito sem tarifas, essas são algumas das várias inovações que as fintechs trouxeram.

A verdade é que essas startups começaram a atuar no mercado financeiro e através das inovações tecnológicas, revolucionaram os processos bancários de uma forma geral. Quer saber mais sobre o que é uma fintech e entender como ela pode facilitar sua vida e acesso ao crédito? Basta continuar lendo esse artigo!

Como as fintechs facilitam o acesso ao crédito

O que são fintechs

Primeiramente, uma fintech é uma startup já que a sua solução inicia em uma operação simples e necessita do aporte de investidores para conseguir conquistar seu espaço no mercado.

Podem ser definidas como “as novas empresas” do setor financeiro que usam a tecnologia como base principal para inovar em suas soluções, sempre orientadas ao sucesso do cliente. Além disso, o custo operacional de uma fintech é muito inferior ao dos bancos tradicionais: são mais enxutas, com bem menos colaboradores e mais parcerias.

O objetivo principal das fintechs são a inovação e a otimização dos processos financeiros, sempre usando a tecnologia para aprimorar processos antigos.

Quais as vantagens desse modelo

Já citamos acima algumas das vantagens das fintechs, mas nesse tópico discutiremos com mais propriedade cada uma delas. Fato é que com o crescimento das relações virtuais, surgiu a necessidade de agilizar e desburocratizar problemas antigos. Hoje é possível, por exemplo, abrir uma conta corrente e o pagar todas suas contas através de um clique do celular:

  • Comodidade: através da internet, realizar transações financeiras se tornou muito mais ágil e simples. Mesmo de casa, apenas com um clique, você consegue fazer operações que antigamente precisava se deslocar até uma agência bancária;
  • Custos mais baixos: os custos operacionais das fintechs são muito mais baixos que os de bancos e outros tipos de instituições de crédito. Por conta disso, o usuário tem, por consequência, menos despesas e mais rapidez em serviços;
  • Mais especializadas: as fintechs estão sempre buscando se especializar em novos produtos, tornando os processos mais inteligentes e com maior inovação como resultado;
  • Plataformas atualizadas: todos os serviços oferecidos pelas fintechs são direcionados às necessidades dos usuários, tornando a procura por melhorias constantes. Ou seja, sites, plataformas, aplicativos estão sempre se atualizando. O relacionamento com cliente é olhado com atenção e, por conta disso, as respostas são dinâmicas para trazer a melhor experiência;
  • Impactos sociais e ambientais: redução do uso de papel, plástico, entre outros materiais, são algumas das ações que visam uma melhor integração com a sustentabilidade. Fora que por serem serviços digitais, houve aumento no número de pessoas envolvidas nas operações bancárias, gerando mais empregos.

Fintechs ou bancos: qual o melhor

Para ter uma ideia da percepção dos usuários das fintechs, eles estão muito mais satisfeitos com os serviços prestados em comparação aos bancos. De acordo com uma pesquisa realizada pela Google Brasil em 2019, 78% dos clientes estão satisfeitos com atendimento, serviços e produtos das fintechs, contra 55% daqueles que preferem os bancos tradicionais.

Além disso, vale a pena lembrar que com o crescimento e evolução das fintechs, a relação com o dinheiro dos usuários mudou. Podemos adicionar também que os processos são bem menos burocráticos, eficientes e eficazes em comparação aos bancos.

Afinal, você não precisa ficar refém dos horários das agências e pode de qualquer lugar do mundo, com o seu smartphone, resolver qualquer questão relacionada ao seu dinheiro! Tem dúvida ainda qual é o melhor dos dois?

Fintechs são seguras?

Um dos grandes empecilhos para alguns usuários migrarem de um banco tradicional para uma fintech é o receio da segurança. Porém, saiba que as regras do Banco Central são bem rígidas sobre compartilhamento de informações de seus usuários. Por isso, sim, elas são seguras!

Saiba que a fintech só pode usar os dados de seus clientes apenas com a finalidade de avaliação do risco de crédito.

Além disso, a solicitação de um empréstimo em uma  fintech é seguro. Basta verificar se o site da instituição consultada tem certificado de segurança: para isso, é só verificar embaixo se há um pequeno cadeado no rodapé da página. O próprio Google também costuma enviar um alerta de segurança quando existe acesso ao endereço online.

Empréstimo online: o que você precisa saber

Apertando apenas um botão, é possível você comparar várias instituições financeiras para fazer o seu empréstimo online. Todo o processo é realizado de forma rápida e desburocratizada, um dos motivos é pela rapidez, além da grande quantidade de empresas que existem, há muita oferta de serviço e, em consequência, juros e condições competitivas.

Para saber mais, acesse o site Juros Baixos e faça uma busca, bem detalhada, do empréstimo online que mais tem a ver com o seu perfil. Seguem abaixo, algumas opções de simuladores para que você consiga fazer essa análise e, ainda, analisar a opção que se encaixa melhor com seu bolso:

Facilidade acima da média

Com o surgimento das fintechs, mesmo com um mercado financeiro consolidado, implica em maiores oportunidades de negócio, facilitando as transações e a redução dos processos burocráticos. Além das questões que envolvem a sustentabilidade, é notável a facilidade com segurança que elas passaram a emergir para todas as camadas da sociedade.

Outro ponto é a acessibilidade ao crédito. Nunca foi tão fácil fazer a solicitação e com uma segurança nunca vista antes. Quer mais motivos para apostar em uma fintech? Deixe nos comentários abaixo se você ainda tem alguma dúvida sobre a vantagem dessas startups!

Foto de capa: naipo.de / Unsplash

Mais sobre: finanças