Motorola One Vision: mente Google e coração Samsung [Review]

Este tem sido um ano muito agitado para o mercado brasileiro de smartphones acima de 1.000 reais: temos Xiaomi e Huawei entrando (esta segunda de forma bem agressiva), Samsung reformulando todos os seus intermediários, e a Motorola tentando se manter zen no meio dessa loucura toda. O Motorola One Vision é a prova viva deste momento.

O smartphone agrega não só os aprendizados da fabricante com o modelo anterior, o Motorola One, como também traz tudo aquilo que está dando certo por aí: câmera traseira de 48 MP – o hit de 2019, “buraquinho” frontal ao invés do odiado notch, e pasmem, chipset da Samsung.

Ou seja, dá pra chamar o aparelho de “Redmi Note 7 da Motorola” ou “Galaxy A50 da Motorola”, mas neste review eu vou tentar explicar o que exatamente esse modelo é, e principalmente; para quem ele é.

Review Motorola One Vision - Mobizoo

Motorola One Vision: preço e disponibilidade

O Motorola One Vision foi lançado por R$ 2.000, mas já pode ser encontrado por até R$ 1.750 parcelado em algumas lojas.

Com esse valor, o modelo concorre diretamente com o Galaxy A50 da Samsung, que possui o moderno, porém não tão bom, leitor de impressão digital sob a tela, e também o popular Redmi Note 7 da Xiaomi, com os mesmos 48 MP na câmera principal.

É uma parada dura para a Motorola, mas o One Vision tem sim suas cartas na manga.

Motorola One Vision: prós e contras

Prós

  • Tela de ótima qualidade;
  • Bom áudio nos fones e no alto falante;
  • Modo Noturno na câmera realmente funciona;
  • Muito veloz.

Contras

  • A bateria não segura um dia inteiro se o uso for mais intenso;
  • A ergonomia da tela comprida não é das melhores;
  • O buraco da câmera frontal é grande, e faz uma espécie de sombra no canto superior esquerdo da tela (mais visível no fundo branco).

Motorola One Vision: ficha técnica

Por mais inusitado que pareça, trazer para o One Vision o mesmo chipset do Galaxy A50 faz muito sentido: de cara isso já equaliza a competição no campo da performance, deixando a decisão do consumidor para os diferenciais de cada modelo. É importante lembrar que Samsung e Motorola são as líderes de vendas de smartphones no Brasil, então nada mais comum que consumidores escolhendo seu próximo aparelho entre as opções destas marcas.

Enquanto no A50 o diferencial é a leitura de impressão digital sob a tela, no One Vision o foco vai para sua câmera dupla com sensor principal de 48 MP,  tecnologia Quad Pixel (evolução da Dual Pixel), inteligência artificial para o aprimoramento das capturas, estabilização óptica e o recurso Night Vision, que como o nome já diz, melhora as fotos noturnas.

Outros destaques ficam por conta da enorme tela com proporção de cinema (beeemmm comprida), os 128 GB de armazenamento interno, e a bateria de 3500 mAh com carregamento rápido (TurboPower).

Confira todas as especificações:

  • Android 9 Pie (Android One);
  • Tela IPS Full HD+ de 6,3 polegadas com proporção 21:9 (1080 x 2520 px);
  • Vidro Gorilla Glass (frente e trás);
  • Chipset Samsung Exynos 9609 octa core 2.2 GHz;
  • GPU Mali-G72 MP3;
  • 4 GB de RAM;
  • 128 GB de armazenamento interno + entrada para micro SD de até 512 GB;
  • Câmera traseira dupla – Sensor principal de 48 MP f/1.7 com PDAF e OIS + Sensor secundário de 5 MP f/2.2 (profundidade);
  • Gravação de vídeo 4K 30fps;
  • Câmera frontal de 25 MP f/2.0;
  • Aprimoramento de áudio Dolby;
  • Leitor de impressão digital traseiro;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, bússola, giroscópio;
  • Bluetooth 5;
  • Rádio FM;
  • USB Tipo C;
  • Bateria de 3500 mAh com carregamento rápido (15 w).
Motorola One Vision - Antutu Benchmark [Review]

Motorola One Vision: unboxing

Motorola One Vision: design e construção

O Motorola One Vision parece o cruzamento de um Galaxy S10e com um Redmi Note 7 da Xiaomi, e isso é muito bom na minha opinião. Resta saber como será a receptividade das milhares de pessoas que compraram o primeiro modelo por conta da sua semelhança com o iPhone X.

Motorola One Vision: traseira - Review / Mobizoo

O aparelho traz um ar bastante premium com seu pequeno recorte circular no canto superior da tela para abrigar a câmera frontal de 25 MP, sua traseira em vidro 4D (onde isso vai parar?), leitor de impressão aplicado na marca “M”, e pouquíssimas bordas.

Motorola One Vision: lateral - Review / Mobizoo
Motorola One Vision: parte inferior - Review / Mobizoo
Motorola One Vision: parte superior - Review / Mobizoo

Eu não curto muito as telas compridas (estreitas e altas), já que elas tornam quase impossível o uso do aparelho com apenas uma mão, mas o fato é que a tal proporção de cinema é ótima para assistir filmes e séries.

Motorola One Vision: tela - Review / Mobizoo

Motorola One Vision: câmeras

Desde o ano passado nós que acompanhamos o mercado de tecnologia estamos presenciando uma verdadeira corrida pelo “Santo Graal” da foto noturna.

Primeiro o Google fez todos todos ficarem boquiabertos com as mágicas do modo Night Sight do Pixel 3, depois veio a Huawei com resultados incríveis no P30 Pro, e agora, por último, vemos Samsung e Motorola correndo atrás do prejuízo.

No caso da Motorola, a resposta vem do novo modo Night Vision, que utiliza a tecnologia Quad Pixel para oferecer muito mais sensibilidade à luz, combinando pós-processamento e inteligência artificial para obter melhores resultados.

O mais interessante é que esses recursos também estão disponíveis na câmera frontal.

Vamos aos exemplos:

O Modo Noturno, que é o grande destaque do aparelho, faz o que promete, melhorando a qualidade do que se vê em fotos com pouquíssima luz, mas ele pode exagerar um bocado na saturação dependendo da situação.

Compare essa primeira foto, com muita saturação, com a segunda, mais equilibrada:

Motorola One Vision: vale a pena?

O Motorola One Vision é um daqueles celulares que você só deve comprar se realmente curtiu a proposta do modelo. Ele foi pensado para quem gosta de fotografia, e principalmente, para quem curte fotos noturnas, mas não vai deixar feliz quem é exigente com todos os outros quesitos.

A bateria deixa a desejar, o alto falante não é estéreo como o Moto G7 Plus, e o design não é dos mais confortáveis, especialmente se você tiver mãos e bolsos pequenos.

O desempenho é sim o melhor em sua faixa de preço, mas você acaba dando uma “brochada” quando vê que seus games favoritos não aproveitam a tela 21:9 do modelo.

Por se tratar de um smartphone integrante do programa Android One, o modelo tem a vantagem de contar com atualizações garantidas pelos próximos 3 anos, oferecendo acesso às grandes novidades do Android diretamente do Google, mas eu pessoalmente não acho isso um grande argumento de venda, já que você olha pro lado e vê o Galaxy A50 com a One UI, que traz tudo o que há de mais moderno no universo Android e muito mais. Aliás, a One UI já conta com um modo escuro completo, antes mesmo dele chegar no Android “puro”.

O One Vision é um bom smartphone, mas ele precisava ser um cadinho mais barato para ser realmente “matador”. Como ele não é, o jeito é ficar bem atent@ aos detalhes antes de levá-lo para casa:

  • Quer bateria com boa duração e conforto de uso? Vai de Galaxy A50 ou Redmi Note 7;
  • Quer a melhor câmera da categoria e Android “puro” atualizado? O One Vision é a melhor opção;
  • Quer economizar uma grana? Compre o Moto G7 Plus e instale a Google Camera.

Por todos esses motivos, com o preço atual do modelo, meu veredito é:

bacana
Mais sobre: motorola