Confirmado: teremos celulares Huawei no Brasil a partir de maio

A Huawei quer ser a maior fabricante de celulares do mundo até 2020, tomando o posto que é da Samsung há algum tempo, mas para conseguir bater essa meta, ela precisa conquistar o Brasil.

Em entrevista ao Estadão, Ketrina Dunagan, vice-presidente sênior de marketing da companhia confirmou: a Huawei está de volta ao Brasil a partir de maio, e o foco inicial será no segmento premium.

Segundo Ketrina, o principal objetivo da empresa será oferecer aos consumidores brasileiros uma experiência de alta qualidade em fotografia e desempenho de hardware. “Traremos a tecnologia mais inovadora que temos – e não sacrificaremos qualidade em prol de quantidade”. Disse a executiva ao Estadão.

Confirmado: teremos celulares Huawei no Brasil a partir de maio - Mobizoo

Brasil: o mercado que faltava para a Huawei

Em 2018, as vendas de smartphones Huawei pelo mundo cresceram assombrosos 30%, e graças a esse salto, a empresa se tornou a segunda maior fabricante de smartphones do planeta, atrás apenas da Samsung (sim, ela já passou a Apple). Enquanto isso, o resto do mercado segue estagnado.

Mas ela não vai parar por aí. A chinesa tem planos para se tornar líder mundial em até 2 anos, e para isso precisa expandir seu mercado de atuação.

Os Estados Unidos e o Brasil são 2 mercados importantíssimos que a empresa precisa conquistar para ser bem sucedida nessa escalada, mas a terra do Trump não está facilitando em nada as coisas por lá.

Como você já deve saber, o governo dos EUA está travando uma verdadeira guerra contra os dispositivos chineses – principalmente os da Huawei –, com a justificativa de que eles seriam fontes de espionagem (tadinhos deles, gente! nunca espionaram ninguém!).

Obviamente, quem tem metas audaciosas não pode perder tempo com brigas, e por isso a empresa resolveu olhar com mais carinho para o país do futebol.

No ano passado a Huawei chegou até a anunciar uma parceria com a Positivo para distribuir seus aparelhos no país, mas infelizmente a coisa não vingou.

Agora ela retorna totalmente por conta própria, mas com um desafio enorme pela frente, já menos de 1% dos consumidores do país conhece a marca, segundo pesquisa da consultoria IDC Brasil feita em setembro de 2018.

Ketrina Dunagan ajudou Nokia e Samsung a se tornarem líderes globais. Não duvide que ela fará o mesmo pela Huawei.

Como será a vinda dos celulares Huawei para o Brasil?

Neste primeiro momento, os smartphones Huawei que chegarão às lojas brasileiras serão trazidos de fora (importação, assim como a Sony faz), porém, até o fim do ano, a empresa pretende montar seus celulares aqui, através de parceiros que ainda estão sendo avaliados.

Além disso, um time local com áreas de logística, vendas e marketing está sendo contratado para dar corpo a estratégia local.

Ainda não sabemos quais modelos serão lançados, e o site oficial da marca não ajuda muito, já que os dispositivos listados por lá ainda são da época da parceria com a Positivo, mas de qualquer forma, com base nas afirmações de Ketrina, podemos supor que somente modelos acima dos R$ 2000, como o Huawei Nova 3, P20 Pro e Mate 20 Pro aparecerão por aqui.

Para Eduardo Pellanda, professor de Comunicação Digital da PUC-RS a Huawei adotou a estratégia clássica de começar com aparelhos mais caros, com melhores margens de lucro, para viabilizar produtos de massa mais adiante. Uma escolha acertada na visão do especialista.

Samsung e Motorola devem se preocupar?

A princípio a líder e a vice-líder do mercado brasileiro de smartphones não têm com o que se preocupar (pelo menos por enquanto), já que a Huawei ainda é bem pouco conhecida por aqui, e levará algum tempo para se estabelecer.

Samsung e Motorola responderam por quase 80% das vendas de smartphones no país no ano passado, segundo a IDC e, a não ser que aconteça alguma catástrofe, isso não deve mudar muito em 2019.

Entretanto, devemos lembrar que a Huawei vem roubando os holofotes das demais fabricantes pelo mundo nos quesitos câmera e inovação, inclusive apresentando no MWC 2019 um celular dobrável bem mais interessante que o Galaxy Fold, da Samsung.

Para o consumidor será bom de qualquer forma, já que ter mais uma opção de qualidade no mercado forçará as demais a terem mais inovação, melhor assistência, e preços mais competitivos.

Agora eu quero saber de você: qual sua opinião sobre o retorno dos celulares Huawei? Deixe seu comentário! Vamos conversar!

Fontes: EstadãoUOL, G1

Mais sobre: huawei IFA 2018