e-Sim: o que é, e como usar

Em 2020 já podemos esperar por mais dispositivos abandonando os tradicionais cartões SIM. Pois, a adoção do e-Sim parece ser apenas uma questão de tempo.

Neste post vamos te contar o que é o e-SIM, suas vantagens para fabricantes de smartphones, operadoras e usuários, e como usar esta nova tecnologia. Dá uma conferida!

e-Sim: o que é, e como usar - Mobizoo

O que é e-Sim?

Um e-SIM é, basicamente, um pequeno chip dentro do dispositivo, que oferece o suporte à operadora para que ela o habilite. Ele substitui o cartão SIM, que em inglês significa “subscriber identity module”, ou em português “módulo de identidade do assinante”.

Um SIM contém as informações que autenticam sua identidade para uma operadora. Ou seja, o cartão SIM diz a uma operadora quem é você. Além disso, o cartão SIM também costuma armazenar certas informações pessoais, como sua lista de contatos.

Os cartões SIM estão nos telefones desde 1991, mas a única mudança aparente para o usuário é que eles encolheram, e a cada 6-8 anos é introduzida uma nova geração cartões SIM menor.

O e-SIM é, portanto, um SIM eletrônico, ou um cartão SIM incorporado, diretamente soldado no circuito do telefone. Ele dispensa, portanto, o cartão SIM físico e você não precisa fazer nenhuma troca física.

O SIM incorporado, ou e-Sim, acaba com a necessidade do chip da operadora que estamos acostumados a usar. Ele funciona de modo semelhante ao chip NFC, usado para tecnologia de pagamento como o Apple Pay e o Google Pay, por exemplo.

O e-SIM é apoiado pela GSMA (GSM Alliance), uma associação de redes móveis; um órgão para apoiar e promover as operadoras móveis que usam o sistema GSM. A mesma rede, portanto, utilizada nos primeiros celulares sem chip.

Conheça a seguir as vantagens do e-Sim.

Vantagens do e-Sim

Para os usuários, a maior vantagem do e-SIM é a dele suportar múltiplas contas, de diferentes operadoras. Além de ser possível configurar o plano no próprio celular. Isso, porque a atualização das informações do SIM é feita pela rede, e não pela alteração física de um cartão.

Com um cartão SIM tradicional, quando você viaja para o exterior, por exemplo, precisa trocá-lo por outro de uma operadora local. Mas, como as informações do e-SIM são reprogramáveis, com ele, você pode mudar de operadora em poucos minutos, apenas com uma ligação telefônica.

Para as fabricantes de celulares, o e-SIM será útil por outro motivo: ele ajudará a tornar os dispositivos menores ou mais finos. O espaço destinado à gavetinha do chip poderá ser cedido a outros componentes, como uma bateria maior.

Além disso, sem mais uma entrada, os telefones podem se tornar mais resistentes, podendo ser imersos em líquidos sem danos.

E ainda, smartwatches e outros tantos dispositivos pessoais, mais um crescente número de Internet das Coisas (IoT), também serão beneficiados com o pequeno espaço ocupado por um e-SIM.

Outra vantagem que o e-Sim poderá trazer, é a de que quase todos os telefones poderão ser vendidos “desbloqueados”. O usuário poderá, portanto, além de escolher a operadora, mudar de serviço quando quiser.

O e-Sim pode ser uma vantagem também nos casos em que o celular for perdido ou roubado. Pois, outras pessoas não conseguirão remover o chip e impedir sua localização.

Talvez, a única desvantagem do e-Sim será a necessidade de ter mais cuidado ao se descartar um telefone, ou passá-lo para outra pessoa. Pois, não bastará apagar seus arquivos pessoais e retirar o seu cartão SIM. Será necessário também eliminar os dados no e-SIM. Mas, provavelmente, logo surgirão ferramentas para fazer isso.

Suporte e-Sim no Brasil

No Brasil, por enquanto, apenas as operadoras Vivo e a Claro estão oferecendo suporte ao e-Sim. Além disso, apenas os modelos mais recentes de iPhone, os XR, XS e XS Max, contam com este recurso.

No exterior, no entanto, o e-Sim avança mais rapidamente, com mais operadoras e modelos de dispositivos com esta ferramenta. Porém, cerca de um ano atrás, antes do iPhone, a linha Pixel do Google trouxe os primeiros smartphones a suportar este novo padrão.

Mas, mesmo sendo uma nova tecnologia, o e-Sim parece ser um caminho sem volta e os fabricantes Android provavelmente seguirão o exemplo. Portanto, espera-se que as grandes marcas, como Samsung e Huawei, incluam a tecnologia e-SIM em seus dispositivos ainda em 2019.

Agora, veja como é simples configurá-lo no dispositivo.

Como usar o e-Sim

Há dois modos de configurar o e-Sim: utilizando um aplicativo ou inserindo as informações fornecidas pela operadora.

Para configurar o e-Sim por aplicativo, sem ter que ir até uma loja ou procurar por um chip, basta usar um aplicativo da operadora.

Então, primeiro, faça o download do app de sua operadora. Depois, use o app para adquirir um plano de celular. Por fim, siga o caminho Configurações > Celular > Adicionar Plano Celular.

Para configurar utilizando o QR que sua operadora lhe forneceu (este card costuma ser cobrado), você também pode usar o aplicativo ou pode inserir as informações manualmente. Para digitalizar o código QR siga o caminho: Ajustes > Dados Celulares > Adicionar Plano Celular.

Então, use seu iPhone para escanear o código QR e, se for solicitado, insira um código de confirmação para ativar o e-SIM e o número fornecido pela sua operadora.

Uma vez que deste modo é possível ter mais de um número, você poderá usá-los alternadamente. Para isso, toque em Ajustes > Dados Celulares e toque no plano que você deseja usar. Em seguida, toque em Ativar Esta Linha.

Por fim, depois que seu segundo plano for ativado, você pode etiquetar seus planos. Por exemplo, você pode etiquetar um número para o trabalho e outro pessoal.

Para isso, basta ir em Ajustes > Dados Celulares e, em seguida, toque no número que deseja etiquetar e inserir um marcador personalizado.

Você já conhecia esta nova tecnologia? Compartilhe sua opinião nos comentários!

Imagem de capa: Kaspersky

Mais sobre: planos redes