iPhone 12: mentir e enganar está na moda

Como você já deve saber, estamos vivendo na era da pós-verdade.

Nesse momento distópico da história, onde grandes líderes podem mentir despudoradamente sem grandes consequências, o que a Apple, uma das empresas mais valiosas do mundo, faz no seu lançamento mais importante do ano? Ela mente.

Nada contra os novos iPhone 12, aliás, eu até gostei bastante das novidades e do retorno ao design mais facetado, dos tempos de iPhone 4.

O problema é que o lançamento foi, na minha opinião, manchado pela mentira da redução de emissões de CO2.

A empresa anunciou que a partir de agora não enviará mais fones de ouvido e carregador (adaptador de tomada) na caixa dos iPhones, e não é só dos novos. Mesmo os iPhone SE, XR e 11 não trarão mais os acessórios na embalagem. Tudo isso para supostamente reduzir o impacto ambiental gerado pela produção e descarte dos componentes.

O principal argumento é que os clientes da marca já possuem o carregador do seu iPhone anterior em casa, e por isso não precisam de mais um ao comprarem um iPhone novo.

Desta forma, a marca e os consumidores estariam de mãos dadas numa grande ciranda para poupar o ambiente de mais um lixo eletrônico, mas… só tem um detalhe: a empresa mudou o cabo que acompanha os telefones, tornando inviável o aproveitamento dos carregadores antigos.

Sim, agora TODOS os iPhones à venda vêm com um cabo cuja ponta que vai no adaptador de parede não é mais USB-A (aquele grandinho, tradicional), e sim USB-C (o pequenininho e arredondado, mais recente).

Ou seja, você que já é usuário de iPhone, vai ser obrigado(a) a comprar um adaptador USB-C P/ USB-A para poder usar seu carregador antigo – gerando mais um futuro lixo eletrônico –, ou pior, terá que partir para o novo carregador de 18w da marca, que já vem pronto para USB-C.

Conclusão: o lixo eletrônico do planeta não foi reduzido coisa nenhuma, e a empresa ainda deu um jeito de lucrar mais. E repare: eu nem entrei no tema fones de ouvido.

Os telefones continuam caros como sempre, mas agora sem fones e carregador na caixa, ficaram mais baratos para a Apple, que amplia o ganho por unidade vendida, e ganha mais uma vez, quando o otário cliente é forçado a comprar um novo adaptador, cabo ou carregador para resolver um problema que antes não existia.

Outros desdobramentos da medida

Como bem lembrou o leitor André Osório, quem possui o carregador do iPhone anterior provavelmente também tem o cabo antigo. Porém, como sabemos, esses cabos são bastante frágeis, e geralmente já estão bem capengas após 2 anos de uso (tempo médio de permanência com o iPhone).

Nesse caso a Apple te manda um cabo zerinho com o novo modelo, mas você terá que comprar um novo carregador para poder usá-lo, jogando no lixo a proposta de redução do impacto ambiental. Ah, e não podemos esquecer: o iPhone rejeita cabos genéricos!

Além disso, no Brasil é bem comum a pessoa vender seu iPhone usado completo na caixa para poder comprar um novo, até porque esse é sem dúvida o celular com melhor valor de revenda do mercado (muita gente compra por isso).

E se você estava pensando em comprar seu primeiro iPhone, prepare-se: como ele não virá com carregador e fones, você terá que desembolsar R$ 440 nos acessórios (R$ 220 do carregador + R$ 220 dos fones).

Detalhe: a Apple aumentou o preço do seu carregador mais baratinho (de 5w) de R$ 79 para R$ 220, ou seja, mesmo preço do carregador mais novo e mais potente, de 20w. Se existe empresa mais manipuladora de seus clientes, eu desconheço.

E você o que achou dessa atitude na Apple? Compraria um iPhone 12 sabendo dessa “malandragem”? Conte aí nos comentários!

Mais sobre: iPhone