Análise Moto X4: em crise de meia-idade

De onde venho? Para onde vou? Sabe aquela pessoa que passou dos 40 e está perdida da vida? Pois bem, esta foi a impressão que o Moto X4 deixou depois de passar algumas semanas nas minhas mãos.

Ele que na juventude foi um top de linha badaladíssimo, hoje tenta sair do ostracismo, voltando ao mercado bem no meio de dois intermediários de peso: o Moto Z2 play e o Moto G5S Plus.

Para encarar o desafio, ele trouxe um combo de design e recursos que é difícil de classificar dentro de uma única categoria, e preço condizente essa sua situação.

Mas será que no final das contas ele faz algum sentido? Bom, é isso que vamos descobrir nos próximos parágrafos.

Câmera do Motorola Moto X4 - Mobizoo

O Moto X4 é uma espécie de frankenstein: tem alguns recursos de top, preço de intermediário premium e problemas de modelo básico

Se o assunto é preço, os R$ 1.699 iniciais do Moto X4 o colocam frente a frente com os intermediários premium Asus Zenfone 4, Galaxy A5 2017 e o conterrâneo Moto Z2 Play. Só que todos os concorrentes contam com 64 GB de armazenamento, enquanto o X4 só tem 32 GB.

Mas o modelo tem sim seus diferenciais. Ele consegue ser mais veloz que o Zenfone 4 (que tem o mesmo chip Snapgradon 630), traz câmera dupla e certificação IP68 ausentes no Moto Z2 Play, e Bluetooth 5, que antes só estava disponível em tops de linha como o Galaxy S8.

Irei detalhar cada aspecto do modelo mais adiante, mas se você está com pressa, pode checar rapidamente a lista de prós e contras:

Prós e contras

Prós:

  • Atualização garantida para Android 8 Oreo;
  • A câmera dupla traseira é versátil e tira ótimas fotos;
  • Certificação IP68 contra água e poeira;
  • Bateria de boa duração;
  • Tela com qualidade superior à de todos os aparelhos da linha G/GS;
  • É mais rápido que todos os outros modelos na mesma faixa de preço;
  • Som alto e de qualidade tanto no alto falante quanto nos fones de ouvido;
  • Belo acabamento e ótima pegada. Muito confortável de usar;
  • Bluetooth 5.

Contras:

  • A câmera traseira apresenta lentidão em algumas capturas, um problema que hoje a gente só vê em celulares abaixo dos R$ 500;
  • A câmera frontal tem foco fixo, o que dificulta a captura de boas selfies;
  • Por conta da bandeja híbrida, não é possível usar 2 chips de operadora e um micro SD ao mesmo tempo;
  • Pouco espaço de armazenamento interno disponível para o usuário – já sai da caixa com a metade dos 32 GB ocupada.

Unboxing

Design

Se você está procurando um smartphone bonito e prefere os modelos compactos, o Moto X4 certamente vai te agradar.

Graças à tela de 5.2 polegadas que faz bom aproveitamento da parte frontal do aparelho, é possível alcançar todos os cantos da interface com o polegar, algo bem difícil de conseguir em telefones maiores, como o Xperia XZ Premium.

Parte frontal do Motorola Moto X4 - Mobizoo

O corpo de metal é revestido com vidro curvo em ambas as faces, e na traseira há uma micro textura abaixo da superfície que, além de gerar um belo efeito ótico em S, ajuda a disfarçar as marcas de dedo que naturalmente irão aparecer.

Traseira do Motorola Moto X4 - Mobizoo

Por conta de sua construção, o Moto X4 é um pouco mais pesado que seus companheiros das linhas G e Z, mas isso não chega a incomodar.

A distribuição de peso é boa, a espessura é ok, e as curvas na traseira e nas bordas colaboram para uma pegada muito firme e confortável, uma das melhores que vi este ano.

Parte inferior do Motorola Moto X4 - Mobizoo

Para minha alegria a entrada padrão de fones de ouvido está presente do ladinho do conector USB Tipo C, e para a segurança dos desastrados o modelo tem proteção contra água e poeira garantida através da certificação IP68.

Você pode até submergir o celular em água doce, só não abuse, pois seu limite é 1,5 m de profundidade e até 30 minutos.

Parte superior do Motorola Moto X4 - Mobizoo

Para finalizar, o dispositivo traz ainda suporte para 2 chips de operadora, mas como sua bandeja é híbrida, você vai ter que escolher entre usar 2 linhas ou 1 cartão de memória.

Tela

Eu normalmente não me animo muito com telas LTPS IPS, mas desta vez a Motorola me surpreendeu.

Pode pegar todas as telas de todos os Moto Gs lançados este ano: nenhuma apresenta contraste e pretos tão bons quanto os do Moto X4. Tanto que em alguns momentos dá até para confundi-la com uma AMOLED.

Tela do Motorola Moto X4 - Mobizoo

Ainda há aquela velha limitação na calibração de cores que só permite dois presettings ao usuário – um muito saturado e o outro muito “lavado”, e os brancos continuam com aquele tom rosado que praticamente já virou marca registrada da marca.

Por sorte isso não chega a atrapalhar a experiência, e o que temos é um painel que oferece nitidez em qualquer situação (ao ar livre e no escuro), amplo ângulo de visão, e tamanho bom para usar com apenas uma mão.

Um Mamão - Mobizoo

Câmeras

Os antigos celulares da linha X definitivamente não se destacavam por suas câmeras, mas parece que a Motorola aprendeu com os erros do passado.

O grande chamariz do Moto X4 é o seu conjunto fotográfico equipado com duas câmeras traseiras – uma de 12 MP com lente “normal”, e outra de 8 MP com lente grande angular –, e uma frontal de 16 MP.

Em boas condições de luz os resultados foram excelentes com a câmera principal, que capturou imagens com muita definição, cores vibrantes, bom alcance dinâmico e pouco ruído em ambas as lentes. E mesmo usando o zoom digital foi possível conseguir boas imagens.

Veja os exemplos:

Exemplo de foto feita com o Moto X4 - Mobizoo
Exemplo de foto feita com o Moto X4 - Mobizoo

Agora usando o zoom:

Exemplo de foto feita com o Moto X4 - Mobizoo

A lente grande angular foi muito competente em mostrar um campo maior da cena sem perda de qualidade ou distorções agressivas, inclusive se saindo melhor que a equivalente do Asus Zenfone 4. Veja:

Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo
Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo

Mas nem tudo são flores. Assim como no Moto Z2 Force o Modo Profundidade (fundo desfocado) decepcionou, e isso tanto na qualidade, quanto na velocidade de captura.

Quando ativei este modo notei um atraso (lag) no que se vê na tela do aparelho, e uma pequena espera enquanto a imagem capturada é salva.

Como o problema aqui não é hardware (como veremos mais adiante), fica claro que faltou otimização no software.

Além disso, os resultados não mentem: utilizando o efeito as imagens perdem um bocado de definição no primeiro plano, e ainda há aqueles erros de recorte que destroem a magia da coisa.

Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo
Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo

Acaba sendo melhor usar o efeito natural produzido pelo foco da lente principal, onde o primeiro plano fica bem definido, e o fundo é ligeiramente borrado. Veja nos dois exemplos a seguir:

Exemplo de foto feita com o Moto X4 - Mobizoo
Exemplo de foto feita com o Moto X4 - Mobizoo

Em ambientes internos ou menos iluminados as fotos também apresentam qualidade satisfatória, com ruído sob controle e bom pós-processamento, mas aqui também é possível observar alguma lentidão nos registros.

Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo
Teste com a câmera do Moto X4 - Mobizoo

Nas selfies há uma dificuldade extra por conta do foco fixo (algo que aliás também acontece no Galaxy A5 2017), mas dá para tirar boas fotos com um pouco de paciência (e bastante braço).

Confira o exemplo real:

Selfie feita com o Moto X4 - Mobizoo

E agora com o embelezamento ativado:

Selfie feita com o Moto X4 - Mobizoo
Caso queira visualizar as fotos em tamanho grande, baixe este arquivo zip.

Desempenho

Se tem uma coisa que não dá para reclamar dos lançamentos da Motorola este ano é o desempenho.

Mesmo aparelhos da marca com apenas 2 GB de RAM apresentam velocidade superior à dos concorrentes, e no caso do Moto X4 o resultado é ainda mais impressionante, já que nos testes o aparelho ultrapassa o Moto Z2 Play mesmo com 1 GB de RAM a menos, e também o Zenfone 4, que possui o mesmo processador. Saca só:

Antutu Benchmark Moto X4 - Mobizoo

Na prática isso significa que o modelo é super veloz para carregar e alternar aplicativos, e também muito eficiente para rodar jogos.

Confira o teste em vídeo:

Por outro lado, o Moto X4 sofre com aquele que é um dos principais problemas dos celulares mais básicos: falta de armazenamento interno.

Como se já não bastasse os apenas 32 GB, marca que já deveria ter sido superada em modelos acima dos R$ 1.500 (não é, LG G6?), o aparelho da Motorola já sai da caixa com metade desse espaço ocupado, tornando quase que obrigatória a aquisição de um cartão de memória.

No meu caso por exemplo, depois de 3 semanas de uso, 25 GB já estavam ocupados, e olha que eu nem costumo instalar muitas coisas nos aparelhos de testes.

À essa altura 64 GB fariam bem mais sentido neste modelo, mas já que esse não é o caso, o jeito é esperar uma atualização que amenize o aperto.

Bateria

Durante os meus testes, a bateria de 3000 mAh do Moto X4 superou minhas expectativas, e eu pude me dar o luxo de esquecer de carregá-la de um dia para o outro.

Com uso menos intenso, dá para alcançar até 2 dias inteiros de autonomia, e com uso mais “pesado”, é possível chegar ao final de um dia com um pouquinho de carga.

Não é uma bateria incrível, mas ela é boa o suficiente para agradar a maioria dos usuários.

Som

O Moto X4 traz um conjunto sonoro muito parecido com o do Moto Z2 Play: os fones de ouvido que vêm na caixa são os mesmos, e aparentemente o alto falante frontal também.

Isso significa que você terá praticamente a mesma experiência, com som alto e encorpado no alto falante (um pouco mais grave do que normalmente se vê por aí), e muita potência e conforto nos fones.

Mas há uma clara vantagem sobre o Moto Z2 Play aqui: o Moto X4 conta com Bluetooth 5, que permite que você conecte simultaneamente 2 fones de ouvido ou 2 speakers no dispositivo.

Especificações do Moto X4

  • Android 7.1 Nougat (atualizável para Android 8 Oreo);
  • 4G Dual Chip (2 nano sim);
  • Tela LTPS IPS Full HD de 5.2 polegadas (1920 x 1080 px);
  • Vidro Gorilla Glass;
  • Certificação IP68 – resistência à água (até 1,5 m por 30 min) e à poeira;
  • Chipset Snapdragon 630 octa core de 2.2 GHz;
  • 3 GB de RAM;
  • GPU Adreno 508;
  • 32 GB de armazenamento interno;
  • Entrada para microSD até 256 GB;
  • Câmera traseira dupla 12 MP f/2.0 + 8 MP f/2.2 com autofoco PDAF, flash dual tone, e auto-HDR;
  • Câmera frontal de 16 MP f/2.0 com flash;
  • Gravação de vídeo 4K/30 fps;
  • Leitor de impressão digital frontal;
  • Sensores: luz ambiente, acelerômetro, proximidade, bússola, giroscópio;
  • Bluetooth 5;
  • NFC;
  • A-GPS, GLONASS;
  • USB Tipo C;
  • Rádio FM;
  • Bateria 3000 mAh com carregamento turbo.

Conclusão

Depois de um início de carreira brilhante, a linha Moto X foi perdendo o status até ser deixada “de lado” pela fabricante, e agora retorna com um smartphone que é sim muito bonito e competente, mas que sofre por ser um “desajustado”.

Ele é melhor que o Moto Z2 Play em alguns aspectos (chipset, IP68, conforto, Bluetooth 5 e câmeras), mas perde por ter menos memória e não ser compatível com os Moto Snaps. Ao mesmo tempo, ele é superior ao Moto G5S Plus em quase tudo, mas não tem custo-benefício tão interessante.

No final das contas, o Moto X4 é um veterano de respeito que voltou à ativa um pouco enferrujado, e precisa urgentemente redescobrir seu caminho no mercado. Caso contrário, será engolido rapidinho pela concorrência feroz, inclusive dentro de sua própria casa.

Ainda não conhece a escala memética de avaliação do Mobizoo? Então veja este link.


Deixo o meu agradecimento à assessoria da Motorola que gentilmente emprestou o celular utilizado nesta análise.