Análise Moto Z2 Force: um ninja atrapalhado

A Motorola surpreendeu todo mundo ao trazer para o Brasil a segunda versão de seu top de linha com tela reforçada, já que a primeira nem chegou perto de ser lançada por aqui. Além da tecnologia ShatterShield, que evita que sua tela seja trincada numa queda, o Moto Z2 Force traz hardware estelar – baseado no poderoso chipset Snapdragon 835 e com 6 GB de RAM, câmera dupla, e o melhor: preço de lançamento mais baixo que o da concorrência.

De qualquer maneira, ainda se trata de um smartphone caro, e certamente quem cogita comprá-lo quer saber se ele realmente faz bonito frente aos aparelhos mais badalados do momento, como o Galaxy S8.

Bom, passei um bom tempo usando o Moto Z2 Force como meu celular principal, e a seguir você confere todas as minhas opiniões sinceras a respeito deste modelo.

Análise Moto Z2 Force - Mobizoo

O Moto Z2 Force é um verdadeiro ninja: o mais forte e veloz entre os tops, mas some na hora da foto

Enquanto Samsung, Sony e LG lançaram seus tops para 2017 por salgadíssimos R$ 3.999, a Motorola adotou uma estratégia mais agressiva de preço, lançando o Moto Z2 Force por R$ 2.999 (na versão “pelada”, sem Snap).

Além de ter no papel hardware superior ao de seus concorrentes, o modelo surge como excelente alternativa para quem, assim como eu, está cansado de gastar um dinheirão em celulares que trincam a tela na primeira queda boba, mas talvez fique a dúvida: “hummm… mil reais mais barato… será que a Motorola economizou em alguma coisa?”.

Bom, para responder essa e outras questões, vamos começar pela lista de prós e contras:

Prós e contras

Prós:

  • Tela aguenta diversas quedas sem quebrar;
  • Snapdragon 835, 6 GB de RAM e Android puro: muita, mas MUITA velocidade mesmo;
  • Mais barato que os concorrentes;
  • É um top de linha dual chip;
  • Excelente áudio tanto no alto falante quanto nos fones de ouvido;
  • Bateria com boa duração;
  • Compatível com os Moto Snaps.

Contras:

  • Tela risca com muita facilidade – uso de uma película é obrigatório;
  • Não há entrada padrão para fones de ouvido;
  • Por conta da bandeja híbrida, não permite 2 chips de operadora e micro SD ao mesmo tempo, como no Moto Z2 Play;
  • Fotos com efeito fundo desfocado da câmera dupla traseira são um desastre;
  • Câmera frontal é decepcionante.

Unboxing

Design

A Motorola não deve mudar tão cedo o desenho da linha Z (por conta da compatibilidade com os Moto Snaps), e por isso o design do Moto Z2 Force segue a mesma receita apresentada pelo Moto Z2 Play – corpo super fino em metal, câmera traseira saltada e leitor de impressão frontal – só que desta vez com um “look” mais dark.

Traseira do Moto Z2 Force - Mobizoo

Mas apesar da semelhança geral, o top traz detalhes bastante distintos em sua construção.

Sua traseira é brilhosa e texturizada (mais suscetível à marcas de dedo), suas bordas superior e inferior têm tamanhos diferentes – com mais “queixo” e menos “testa”, e o plástico especial (ShatterShield) que reveste a tela é totalmente plano, diferente do vidro 2.5D do Moto Z2 Play.

Parte inferior do Moto Z2 Force - Mobizoo

Aliás, falando em ShatterShield, eu não poderia deixar de registrar: ele realmente aguentou as três quedas que realizei em meus testes sem trincar, mas ficou cheio de riscos depois de algumas semanas de uso. E olha que sou extremamente cuidadoso.

Ou seja, a tecnologia realmente cumpre o que promete, mas você precisa proteger a tela do aparelho com uma película assim que ele sai da caixa. Do contrário, terá um smartphone todo riscado em pouco tempo.

Lateral do Moto Z2 Force - Mobizoo

Em termos de conforto, o modelo oferece a mesma experiência do Z2 Play, com pouco peso e boa pegada, mas não espere poder usá-lo com apenas uma mão.

Parte superior do Moto Z2 Force - Mobizoo

Tela

No geral eu gostei bastante do display do Moto Z2 Force. Ele consome pouca bateria, possui brilho máximo forte para boa leitura sob o sol, brilho mínimo agradável para consultar o smartphone no escuro, e um eficiente modo noturno.

Além disso, ele oferece todas as vantagens inerentes à tecnologia P-OLED, como: cores muito vibrantes, amplo ângulo de visão, contraste impecável e pretos realmente pretos.

Mas isso não quer dizer que ele é perfeito.

Tela do Moto Z2 Force - Mobizoo

Ainda falta acertar a calibragem de cores (apesar dela já ter melhorado em relação ao Moto Z2 Play) e permitir que o usuário tenha mais opções de configuração do painel, coisa que Samsung e Sony já oferecem há algum tempo.

Moto Tela do Moto Z2 Force - Mobizoo

E para finalizar esse quesito, não canso de repetir: a Moto Tela continua sendo a melhor solução de tela always on que existe.

Câmeras

O Moto Z2 Force é o primeiro top de linha da marca a trazer uma câmera dupla, e eu sei que muita gente deve ter ficado animada com a novidade. Por isso mesmo, já vou começar logo a análise desse item dizendo: não se anime.

O modelo fica claramente atrás da concorrência nesse quesito quando percebemos que sua câmera dupla é composta por duas lentes com abertura f/2.0 – bem menos sensíveis que as f/1.7 e f/1.8 do Galaxy S8 e LG G6 respectivamente, e que não traz estabilização ótica de imagem (OIS) presente nos dois outros tops.

Não é uma câmera ruim, mas fica aquém do que se poderia esperar de um dispositivo nesta faixa de preço.

Teste de câmera com o Moto Z2 Force - Mobizoo

Começando pelas fotos com boas condições de luz, temos resultados mistos: algumas apresentam cores bonitas e muita riqueza de detalhes (anterior), mas outras exibem cores mais “lavadas” e algumas distorções (seguinte).

Teste de câmera com o Moto Z2 Force - Mobizoo

No geral, a impressão que fica é que estamos de frente para fotos produzidas por uma boa câmera de smartphone intermediário, e não de um top.

Teste de câmera com o Moto Z2 Force - Mobizoo

Mas a coisa ficou feia mesmo quando testei o modo profundidade, aquele que desfoca o fundo das cenas, destacando o primeiro plano. Eu já havia criticado o efeito no Galaxy S8, mas aqui a coisa atingiu outro patamar.

O recurso falhou miseravelmente em todas as cenas que fotografei, fazendo recortes grosseiros entre os planos, borrando coisas que não deveria borrar, e muitas vezes perdendo o foco do primeiro plano. Veja estes exemplos (1. sem o efeito, 2. com o efeito):

Exemplo de foto com o Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Exemplo de foto com o Moto Z2 Force - Mobizoo  Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo

Agora confira uma sequência de tentativas frustradas de fazer boas fotos usando o modo profundidade:

Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo
Modo profundidade do Moto Z2 Force - Mobizoo

Em fotos noturnas ou em ambientes pouco iluminados o nível de ruído é alto, e também é possível perceber algumas aberrações cromáticas.

Exemplo de foto com o Moto Z2 Force - Mobizoo
Exemplo de foto com o Moto Z2 Force - Mobizoo

Nas selfies os resultados são satisfatórios com boas condições, mas são bem precários em ambientes menos iluminados. Veja:

Selfie com o Moto Z2 Force - Mobizoo
Selfie com o Moto Z2 Force - Mobizoo
Caso queira visualizar as fotos em tamanho grande, baixe este arquivo zip.

Desempenho

Neste ano, todos os celulares Motorola que testei foram mais velozes que seus concorrentes diretos, e o Moto Z2 Force não fugiu a regra, facilitando bastante o meu trabalho nesse quesito.

Por isso, não precisarei me alongar muito. Basta olhar o resultado que o aparelho obteve no teste de benchmark do Antutu para entender o cenário:

Antutu Benchmark Moto Z2 Force - Mobizoo

Os números do Antutu mostram exatamente o que eu pude comprovar no dia a dia com o aparelho da Motorola: ele é consideravelmente superior aos seus concorrentes diretos, e isso vale tanto para a performance com games pesados quanto para a multitarefa.

Tudo no top da Motorola funciona com extrema velocidade, e seus 6 GB de RAM permitem que você deixe dezenas de aplicativos abertos sem se preocupar com engasgos ou esperas.

Bateria

Muita gente ficou preocupada quando a capacidade da bateria do Moto Z Play caiu de 3500 para 3000 mAh em sua segunda geração, e mais ainda quando o Moto Z2 Force foi anunciado com capacidade ainda menor, de 2750 mAh.

Felizmente, a bateria que a princípio parecia pequena demais, apresentou na prática desempenho muito parecido com o de outros tops, aguentando com folga um dia inteiro de uso intenso, ou mais de um dia com uso mais moderado.

Não é uma marca impressionante, mas está bem na média da categoria.

Som

Em termos de qualidade de som não há o que reclamar do top da Motorola. Os fones de ouvido que acompanham o Moto Z2 Force são os mesmos que elogiei na análise do Moto Z2 Play, ou seja, conforto e muita potência (inclusive nos graves) estão garantidos para seus ouvidos.

Eu só fiquei muito chateado com a ausência de uma entrada padrão para fones de ouvido (P2) no dispositivo, pois estou muito acostumado a levar meus fones no bolso, e sacá-los a qualquer momento que queira ouvir uma playlist ou um podcast na rua.

Sem a entrada, me vi obrigado a ter sempre que lembrar de carregar comigo o adaptador fornecido na caixa do aparelho, coisa que aliás nunca aconteceu.

Adaptador para fone de ouvido Moto Z2 Force - Mobizoo

Outro destaque nesse quesito fica por conta do excelente (e bem posicionado) alto falante do aparelho.

Além oferecer volume de sobra, o componente apresenta graves bem mais encorpados que os vistos (ouvidos) no LG G6 e no Galaxy S8 Plus, e tem localização privilegiada para quem curte jogar ou assistir vídeos no celular: frontal.

Especificações do Moto Z2 Force

  • Android 7.1.1 Nougat (atualizável para Android 8 Oreo);
  • 4G Dual Chip (2 nano sim) (bandeja híbrida);
  • Tela P-OLED Quad HD de 5.5 polegadas (2560 x 1440 px);
  • Tecnologia ShatterShield de proteção para a tela;
  • Chipset Qualcomm Snapdragon 835 octa core de 2.35 GHz;
  • 6 GB de RAM;
  • GPU Adreno 540;
  • 64 GB de armazenamento interno;
  • Entrada para microSD até 2 TB;
  • Câmera traseira dupla de 12 MP f/2.0 com autofoco PDAF e laser, flash dual tone, e auto-HDR;
  • Câmera frontal de 5 MP f/2.2 com autofoco e flash dual tone;
  • Gravação de vídeo 4K/30 fps, Full HD/30/60/120 fps, HD/240 fps;
  • Leitor de impressão digital frontal;
  • Sensores: luz ambiente, acelerômetro, proximidade, bússola, giroscópio, barômetro;
  • Bluetooth 4.2 (atualizável para 5.0);
  • NFC;
  • A-GPS, GLONASS;
  • USB Tipo C;
  • Bateria 2730 mAh com carregamento turbo.

Conclusão

O Moto Z2 Force e seu visual black ninja tinha tudo para ser um produto matador, graças a seu preço mais em conta e desempenho acima dos concorrentes, mas escorregou feio ao trazer um conjunto fotográfico que está mais para Moto G5 Plus que para Galaxy S8, e uma tela que risca com extrema facilidade.

Ele pode ser uma boa escolha para quem prioriza velocidade e não liga muito para câmeras, e também para aquelas pessoas mais desastradas que não suportam mais conviver com telas trincadas. Mas deve passar longe de quem está à procura de um conjunto mais completo.

Sendo assim, meu veredito é…

bacana

Ainda não conhece a escala memética de avaliação do Mobizoo? Então veja este link.


Deixo o meu agradecimento à assessoria da Motorola que gentilmente emprestou o celular utilizado nesta análise.