Opinião

Como saber quando chegou a hora de comprar um videogame portátil?

E finalmente chegou 2015! Após um 2014 que durou uns 3 anos, podemos comemorar como a garotinha abaixo:

Este ano vamos começar os trabalhos de um jeito diferente aqui no blog: vamos falar de videogames portáteis!!!

Sim, você meu amigo, minha amiga que só me vê falando de smartphones, vai ter uma colher de chá. Hoje vamos conversar sobre quando você deve colocar o smart de lado e aproveitar as maravilhas de um bom e velho joystick.

É hora de dar tchau

Se você é um jogador casual, que joga apenas um Candy Crushzinho ou um Plants vs. Zombies para passar o tempo numa fila ou no transporte público, não precisa se preocupar, você só precisa de um smartphone razoável no bolso pra garantir o passatempo da sua viagem.

Agora, se você é um jogador mais hardcore, daqueles que passa algumas horas por dia no FIFA, Asphault, Summoners’ War e Clash of Clans, talvez seja a hora de investir num dispositivo portátil dedicado para jogos.

Não há bateria que resista à jogatina intensa, e você não quer ter que ficar carregando o celular o dia todo, certo? Além disso, a maioria dos jogadores frequentes acha os controles virtuais (aqueles na tela de toque) uma bela bosta. E ainda deixam a tela toda engordurada.

Nada é mais gostoso e preciso do que jogar num dispositivo com controles físicos. A frustração diminui e a jogabilidade melhora.

E qual eu devo comprar?

Bom, isso vai depender do que você quer jogar, e quanto você pode gastar.

Se você faz questão de continuar jogando no novo aparelho os mesmos jogos que jogava no smartphone, e não se incomoda com os controles na tela de toque, a melhor opção pra você é simplesmente comprar um tablet, Android ou iOS. Nesse caso, eu recomendo fortemente um iPad Mini ou um Galaxy Tab S (T700N), pois os dois aparelhos possuem telas excelentes, são muito leves e fáceis de carregar, além de terem poder suficiente para rodar até os jogos mais pesados sem problemas.

lzy0313lscs19
Jogos com interfaces complexas ficam bem melhores no tablet.

PS Vita

O PS Vita foi eleito por veículos especializados o melhor videogame portátil para se comprar em 2015. Os motivos: ele possui tela touch de 5 polegadas, dois ótimos controles analógicos, muitos jogos de franquias consagradas como Uncharted, acesso aos clássicos do PS1, PS2 e PSP através da Playstation Store, e o apoio das desenvolvedoras independentes – inclusive com alguns títulos vindos dos smartphones, como Jetpack Joyride e Angry Birds. Isso sem contar no universo de emuladores disponíveis pro aparelho (tem Super Nintendo, Mega Drive, Neo Geo, Game Boy e muito mais).

E se o bichinho já era bom, agora está ainda melhor em sua segunda versão, a Slim (modelo 2000). O novo modelo é bem mais fino e leve, já vem com 1 GB de memória interna (ausente no primeiro), conexão e carregamento via cabo micro USB (no primeiro modelo era um cabo especial proprietário da Sony) e mais 1 hora de bateria.

PS-Vita-Slim-600x250

Para quem tem o PS4 o negócio fica ainda melhor: é possível jogar os jogos do console na telinha do aparelho através da rede Wifi. Imagina só você jogando games de última geração no conforto da sua cama, enquanto alguém assiste à TV da sala!

O único incomodo do Vita é ele utilizar um cartão de memória proprietário (e caro) da Sony, ao invés dos populares Micro SDs. E nem adianta procurar adaptadores; eles ainda nem existem.

Minha dica é comprar um dos pacotes especiais que já vem com cartão. Acaba saindo bem mais em conta.

Com esse dispositivo em mãos, dificilmente você irá sentir vontade de jogar de novo no smartphone. Pode acreditar.

PSP

Caso você não queira gastar muita grana, o PSP, primeiro modelo de portátil da Sony ainda é um ótimo negócio. Ele chega a custar metade do preço do Vita.

Ele também possui acesso à vasta biblioteca de clássicos do Playstation 1, jogos da independentes disponíveis na Playstation Store e todo aquele universo de emuladores de videogames clássicos que citei anteriormente. Além disso, alguns games do Vita também estão disponíveis para ele.

É claro que ele não possui o mesmo poder gráfico do Vita, mas tem a vantagem de poder usar cartões de memória microSD (com adaptador que custa baratinho), e Custom Firmwares, que expandem ainda mais suas possibilidades (se é que vocês me entendem…).