Dicas

Guia das compras de natal – parte 1: o que não comprar

O Natal está chegando e muita gente aproveita essa época para trocar seu celular por um mais moderno, ou mesmo presentear aquela pessoa querida com uma bela peça de tecnologia.

O problema é que as lojas estão cheias de vendedores com pouca ou nenhuma informação sobre os aparelhos mais procurados, e os preços e especificações exigem tempo e paciência para pesquisa. A Internet é o lugar certo para essas pesquisas, mas muitas informações são complicadas e até conflitantes.

Por isso criamos esse mini guia de Natal com o objetivo de orientar melhor nossos leitores na hora das compras. Nessa primeira parte, você confere dicas para evitar a frustração e o arrependimento nas compras de fim de ano.

O melhor momento para comprar

O varejo brasileiro de eletrônicos possui algumas “janelas” de queda de preço, e quem quer comprar bem deve ficar ligado nelas:

  • a semana anterior ao dia das mães;
  • a semana anterior ao dia dos pais;
  • depois do dia das crianças até a black friday, em novembro.

Como você pode perceber, o mês de dezembro não está na lista. Isso não quer dizer que seja impossível encontrar uma boa oferta nesse período. Mas é fato que as lojas inflam seus preços nessa época, tornando a tarefa bem mais difícil.

Se mesmo assim você encontrou uma boa oferta em pleno fim de ano, é bom ficar atento(a) às seguintes dicas:

Xing-ling nem pensar

Os celulares chineses encontrados nos camelôs e afins por preço irrisórios não são uma boa opção neste Natal. Especialmente neste, pois no ano que vem a Anatel promete bloquear o acesso às redes celulares em aparelhos não homologados, que não possuem permissão oficial para serem comercializados no país.

 

Tenha certeza de que o celular escolhido é um smartphone

Com os preços cada vez mais acessíveis dos smartphones, hoje em dia simplesmente não vale mais a pena comprar um “celular simples”, que irá limitar suas possibilidades de conectividade e interação, em pleno 2013.

Muitos aparelhos se parecem com smartphones, mas apesar de possuirem conectividade wi-fi, não contam com um sistema operacional apropriado, e acabam não oferecendo um bom acesso à Internet. É o caso, por exemplo, do Samsung Chat 357 Duos, que apesar do excelente teclado qwerty e acesso às redes sociais, não pode ser chamado de smartphone.

Para se certificar de que o aparelho escolhido é de fato um smartphone, verifique:

  • se possui sistema Android, iOS(iPhone) ou Windows Phone;
  • se possui conectividade 3G, Wi-fi, bluetooth e USB;
  • se há acesso à uma loja completa de aplicativos.

Tablet pra quê mesmo?

Vai comprar um tablet? Primeiro é importante fazer uma pergunta a si mesmo:

  • P: qual será o meu uso?
    • R: quero acessar redes sociais, navegar na web, acessar email, ver vídeos no youtube, jogar, ler.
      • Mobizoo: Ok, vá em frente! Um tablet é perfeito para essas tarefas.
    • R: quero um escritório móvel, fazer trabalhos acadêmicos, produzir.
      • Mobizoo: É melhor você comprar um Ultrabook. Se você comprar um tablet, vai acabar sentindo falta de um teclado e aplicativos como o Microsoft Office completo. Além disso, o valor de um tablet novo + um teclado é quase o mesmo de um Ultrabook.
Se de fato você irá comprar um, seja para uso pessoal, ou para presentear, fique longe de marcas genéricas, pequenas ou pouco conhecidas. Geralmente esses tablets de preço reduzido tem qualidade duvidosa, sistema ultrapassado e até apresentam uma série de problemas de usabilidade, como touchscreen não responsiva ou alto falante com som muito baixo. O barato poda acabar saindo bem caro.
Bonitinho, mas ordinário.

Leia avaliações sobre o aparelho desejado

Para não ter surpresas indesejáveis pós-compra, a primeira providência a ser tomada é ler os vários comentários de pessoas que já compraram o aparelho que você está namorando. Muitos destes comentários, disponíveis em sites como o Buscapé ou Reclame Aqui, podem trazer informações importantes como:

  • aparelho trava muitas vezes;
  • alto índice de problemas de fabricação;
  • acabamento vagabundo;
  • aparelho pouco resistente, quebra com muita facilidade;
  • bateria com duração ridícula.